quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

A Gloriosa Resenha - Opinião Animada



Olá amigos romanos!

Eu decidi falar novamente sobre animação. Mas vou juntar um pouco de informação e um pouco de mimimi como é de costume.

Começo mostrando para vocês o cenário nacional dos longas animados, o qual não sei muita coisa, mas o que sei dá para o gasto. Primeiro o que é sabido pela enorme maioria, saiu o longa “Minhocas” (stop motion). Eu ainda não vi, e as chances de ver são pequenas. Mas admito que esse filme seja o que mais me deu vontade de ir ao cinema. Muito mais do que o “grandioso” “Uma História de Amor e Fúria” ou aquele que foi lançado ha um tempo atrás de personagens que procuravam uma árvore rara atualmente, o pau-brasil. Você teve o filmezinho do peixonauta e acho que alguns outros desconhecidos do grande público. Se não me engano existem aqueles longas que competem em festivais (fazem isso mesmo ou estou ficando maluco?). Alguns dizem que esses longas-metragens estão tentando fazer com que o cinema nacional comece a produzir muito mais filmes animados. Tipo... Vai existir um filme que vai ser aclamado pela crítica (e pela bilheteria, que é o que realmente importa) e ele dará o empurrãozinho que esse mercado precisa.

Enquanto a animação brasileira não alcança o cinema como quer, por outro lado as séries animadas de TV servem como uma injeção de adrenalina nesse mercado que começa a ser bem visto no exterior (o que não pode é exportar animador). A única coisa que me incomoda nisso é que eu tenho a impressão que para cada animador existem quatro estúdios de animação. Você já vai entender. Um animador cria um estúdio, esse estúdio geralmente fornece ao cliente trabalhos audiovisuais em geral e ilustrações. Esse animador contrata um pequeno grupo de pessoas e esse grupo fica estabelecido por um longo tempo até uma reposição ou um pequeno crescimento do grupo. Outro animador que não conseguiu pegar a vaga tem uma brilhante ideia, fazer o mesmo. E isso vai acontecendo até termos inúmeros estúdios que, em minha opinião, impossibilita de haver um crescimento realmente legal em qualquer estúdio que seja. Ok, ok. Com isso teremos uma competitividade que ocasionará em produtos cada vez melhores para o público. Sim, eu concordo nessa parte. Mas eu realmente acho que se os animadores em sua maioria deixassem de lado esse seu lado empresarial nós poderíamos crescer mais. Eu não quero que existam somente 3 grandes estúdios brasileiros. Ao contrário eu quero que existam muitos. Só acho que esse excesso, num pequeno período de tempo, é ruim pra todos. Vou citar os EUA. Existem inúmeros estúdios de animação lá, e eu tenho certeza que todos eles não foram criados com uma diferença de até 10 anos uns dos outros. Existem os bem antigos (os grandes). E aqueles mais novos, que de tempos em tempos, acabam se tornando grandes estúdios com o sucesso de algumas franquias. Pelo visto, é um grande caso de desenvolvimento do país...

A mensagem que quero passar é; Donos de estúdios de animação, por favor, tentem aumentar as vagas para animadores (e afins) o máximo que puderem nos seus estúdios porque eu preciso de emprego e não quero arriscar de empresário (Há! Sacanagem!).

Se você gostou compartilhe dessa ideia com seus amigos e... Ao Compartilhamento e Além!