sexta-feira, 8 de novembro de 2013

A Gloriosa Resenha - #215 e Foco



Agora é certeza. Somente uma pessoa acessa esse blog!

E cá estamos de novo com uma notícia do Fernando Martins (esse cara não para). O melhor Guitarrista do Bairro agora lança a HQ AMEBÓIDE (cadê as trombetas? São quantas, 7, 12? Que toquem as trombetas!). O cara vai estar na 8ª FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos) vendendo o seu Gibi, a sua revista, a sua preciosa e você pode ir lá comprar. A HQ é uma coletânea do seu trabalho no blog e só detém um único defeito... Poh, Fernando só tem 8 páginas? Fazia 10, né cara! É uma produção caseira, mas está muito bacana. O preço é... É mais ou menos. Então pra resumir, o Festival será num lugar legal. Pra chegar lá é só você olhar pro Horizonte, o que for Belo você vai. Não entendeu a piada? Quer ver qual o dia e outras informações? Então acesse o site AMEBÓIDE (O cara fez 215 revistas, não sei se é marketing ou ousadia).

O meu blog não é mais o mesmo. Eu me cansava muito, mas me orgulhava muito também quando as postagens tinham dia certo pra sair e sempre estavam lá pra tentar divertir o público. Mas ando meio sem rumo esses dias. Só pra contar um pouco dos bastidores, eu já criei 2 séries de HQs com boas histórias, 1 delas aproveitável, a produção da série está razoável e estou sem muitas ideias para alguns posts do blog, como o “Rabiscos” e o “Se eu fosse Designer”. Já pensei em fazer vários tipos de vlogs, dublagens de cenas de filmes (até pra melhorar minha atuação na dublagem já que eu gosto de fazer as vozes nos desenhos), e milhares de outras coisas pra “melhorar” o blog. Mas todas essas ideias não fazem sentido no blog e não faz tanto sentido pra mim, então agora estou tentando focar em só uma coisa, a série. Minha preciosa série animada pode não ser tão boa, mas se eu conseguir produzir ela será um grande feito pra mim. E logo depois que eu terminar a série eu começo a HQ. As malditas HQs que agora, não sei por que, o desejo de fazê-las ficou gigantesco.

E assim acaba essa post. Então, ao Infinito e Além! (Por que será que eu escrevo isso? Antes era “Ao compartilhamento e além” e agora que não peço mais para compartilhar, comentar ou curtir, escrevo a frase original do Buzz. Como diria Caetano “Que loucura!”).