quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A Gloriosa Resenha - A Ilha e as senhas



E AÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ, Batmans e “DuffWomans”! Muito enérgico, não é? Parece que eu escrevo como se eu estivesse falando. E é verdade!

Bom, amigos deste pequeno blog de cartoons de conteúdo mais ou menos. Eu mudei a senha de um dos meus e-mails recentemente e, não sei se é assim com vocês, sempre me lembro de matérias em jornais e outros programas falando sobre como criar uma boa senha. Mas em quase todas essas matérias os meios de se criar senhas boas são muito loucos. Recorde-me de um onde você teria que criar uma frase (acho que é assim) e tirar as primeiras letras delas e misturar com números.
Exemplo: Meu Cachorro Cagou Na Rua 27.
                               MCCNR27
Dizem que é mais fácil de lembrar quando se faz isso, mas eu mesmo não entendo. Ainda acho melhor colocar data de nascimento... Não brincadeira! Esse é um bom método, mas prefiro continuar com minhas senhas simples de palavras e números. Por exemplo, “chocolate127morango”, ou nem precisa ser em português como “Au3revoir77”...
 
Saindo desse tema, ontem (ou qualquer outro dia pra você que está lendo) assisti ao filme “Ilha do Medo”. Muito bom, mas não consegui entender direito. Agora vai um spoiler...

Não sei se ele era louco ou o pessoal do Manicômio onde ele estava “investigando o desaparecimento de uma paciente” fez experimentos com ele... Mas que fique aqui alguns elementos que capturei.

Por que ele seria um interno naquele manicômio há dois anos?

    - Porque durante toda sua passagem como delegado na ilha sempre tomava remédios e isso poderia ser um resquício de sua situação naquele lugar sendo transferida para seus delírios. Como quando você está sonhando, toca um telefone e como defesa para você continuar dormindo seu cérebro faz com que você sonhe que um telefone está tocando.
    - Por que em uma das cenas do filme, numa conversa bem curta entre o psiquiatra e o Andrews (acho que esse é o nome do Delegado), as falas parecem cortadas, em que uma pergunta responde uma resposta e depois começa a ir para a loucura. Mais ou menos assim: (Esse não é 100% o diálogo do filme)

Delegado: Onde está o meu parceiro?
Psiquiatra: Delegado, você veio sozinho!
Close no delegado, ele olha confuso para o nada e de repente escuta-se o psiquiatra terminando uma frase.
Psiquiatra: ...Até agora. Mas e o seu parceiro?
Delegado: Que parceiro?

Uma das pacientes ao fundo ri. Esse é o final de uma cena bem curta do filme que me deixou muito confuso. Entre outras mil deste filme maluco uma das piores com certeza é a cena final, onde em uma frase ele deixa mais ou menos claro que aquilo seria uma experiência feita com ele na ilha, mas enfim... Acabou o spoiler.

A ilha é um bom filme. Eu recomendo, pois apesar de ser um filme difícil de compreender te deixa preso do começo ao fim naquela trama.

E como sempre um recadinho final dizendo que se você gostou de alguma charge, tira, HQ (é ainda vai sair HQ, mas vai demorar entre um número e outro) ilustração ou qualquer outra coisa, compartilhe, curta e se não for demais, comente... Também divulgue falando para os amigos. E Au Revoir

(Eu não acredito que continuo fazendo esses textos idiotas, ainda bem que vem coisa nova por aí pra tirar isso...)