segunda-feira, 1 de julho de 2013

Momento Cult - Zé protesto


"Quem não tem colírio usa óculos escuros e quem não tem nada pra fazer lê o Momento Cult"
                                                                                                       Raul Seixas.

Está começando... Está começando... Começou? Protestos... Difícil falar sobre isso, mas vou tentar. Primeiro, vamos tentar saber como tudo isso começou...

 O que víamos há algumas semanas atrás era muita alegria com a copa das confederações (eu mesmo tinha planejado acabar uma animação sobre a Copa até o final do evento).  Claro, os famosos, “imagina na copa” e outros “bordões” circulavam nas conversas de qualquer rodinha de amigos, mas isso era mais brincadeira e também um pouco de descrença com as promessas do que uma jura de vingança se não deixassem nosso país igual a uma Dinamarca.
Até que um dia várias capitais resolveram aumentar o preço da passagem de ônibus. Algumas cidades, como a que eu moro, houve uma pequena resistência, algo como pessoas se dizendo indignadas com isso no jornal (coisa básica em qualquer lugar do Brasil), ou seja, aumentaram, as pessoas baixaram as cabeças e disseram “Unkay” e tudo voltou a ser como era antes. Hu!Hu!Hu! Isso era o que o governo pensava, na verdade era o que eu também pensava. Fiquei puto porque ninguém tinha saído às ruas se manifestando para tentar impedir o aumento (eu queria isso na cidade onde eu moro, não sabia que tinha acontecido a mesma coisa em outras capitais e nem imaginava manifestações como as de hoje). Eu queria que as pessoas da minha cidade fizessem algo do tipo (eu também não fiz nada... Mas apoiaria se houvesse uma iniciativa, já que não sou muito bom em iniciativas).
E em determinado dia aconteceu algo muito estranho, liguei a TV e vários jornais diziam que Manifestantes contra o aumento da passagem em São Paulo estavam vandalizando a cidade. Naquele momento escorreu uma lágrima do olho e eu disse “O Brasil vai mudar!” Não, mentira! Eu fiquei surpreso e ao mesmo tempo feliz (não me julguem) com aquilo. Mesmo com aquele vandalismo todo que a TV mostrava (que depois a internet mostrou ser uma grande “pegadinha do malandro”) eu achava aquilo uma resposta ao governador. Declaração na mídia não muda lei, não muda reajuste, não muda governo, isso é fato.
Passam-se alguns dias e algo acontece. Toda a imprensa que antes era totalmente contra as manifestações ficou a favor de uma hora para a outra. Na Globo repetia-se 400 vezes as frases “uma minoria de vândalos” e “a grande maioria pacífica”. Não há dúvida alguma que a globo temeu ser hostilizada mais tarde por tentar manipular a visão do telespectador, como diziam principalmente na internet (isso já há muitos anos). Já as outras emissoras eu não tenho ideia do que aconteceu... Estavam elas só repassando uma notícia da maior emissora do Brasil? Ou era apenas um erro jornalístico monumental?
O que fica claro é que “a grande maioria é pacífica” e alguns vândalos, ladrões, vendedores de algodão doce e Latino entraram no meio pra ganhar um dinheiro (menos os vândalos, os vândalos... eu não sei). Então aquele primeiro movimento “quebra-quebra” que vi no início que tanto me entusiasmou agora me deixava irritado porque acabava destruindo uma bela imagem que todos queriam passar. Acho que comecei a apoiar de início o vandalismo porque tinha ficado um pouco chateado com aquele aumento, afinal, quem não ficou não é?
Tudo bem até aí, “Queremos que vocês baixem o preço da passagem!”... “Só que não!”. De repente há uma mudança nos planos e vejo diversas pessoas dizendo que queriam agora mudar o Brasil! “Que negócio é esse? Tá maluco? Queria baixar o preço da passagem e agora quer mudar o Brasil? Depois vem o que? A paz mundial, miss universo?” – isso foi o que eu disse na surpresa do momento. Foi algo repentino. Pelo menos eu não esperava isso.
Até que começaram a encher os protestos (que nessa época eram ainda no Rio, São Paulo e acho que Paraná) de significados. Queriam melhores escolas e melhores hospitais (coisa que ninguém nunca pediu), a durrubada da Pec, Puc, e do Pac man, passe livre para estudantes, que a FIFA fosse embora, fechar o restaurante da Dona Florinda (essa parece que já conseguiram) entre milhares de outras coisas. Queriam tirar governadores do poder e também a Dilma (eu achava até que ela estava legalzinha). Pra mim tinha cagado tudo. Eu não gostava quando as pessoas eram entrevistadas e diziam que a manifestação era contra tudo. Certamente essas pessoas não sabiam nem o porquê de estarem lá. Até que alguém teve a ideia de colocar 5 assuntos em pauta. “Vamos fazer uma lista das principais coisas que estão precisando mudar urgentemente!”. Parabéns para quem teve essa ideia.
As coisas mudaram, as pessoas faziam “Guias do Bom Protestante” ajudavam umas as outras com informações, decoravam o hino nacional (você sabe que o texto não é 100% sério!). Mas tudo isso acabou trazendo de volta um espírito de patriotismo que antes estava morto, ou apenas sofria de catalepsia. O que acontecia em apenas algumas cidades do Sul, se espalhou pelo Brasil inteiro e o grito de uma multidão enfurecida virou o de uma nação.

 Nisso chegamos aos acontecimentos de dias atrás. Políticos apoiando tudo o que o povo pedia. “Diminuição da passagem!” “Sim, sim!” “Reforma política!” “Sim, sim!” “Chocolate ao leite!” “Sim, sim!”. Uma demonstração de “cagaço” total. Estou com pena da Dilma, é sério. O povo conseguiu derrubar a Pec a tempo, baixar o preço da passagem e buscam as outras metas sendo a reforma política uma delas. E parece que um plebiscito está a caminho (obrigado por me levarem às urnas mais cedo).
Se me perguntassem semanas atrás como isso iria acabar eu diria que “eles vão conseguir algumas coisas, mas nada que revolucione o Brasil como estão dizendo.”, mas hoje não tenho uma opinião formada, pois, pode ser que conseguiram fazer um atalho para uma política melhor ou simplesmente conseguiram solucionar alguns problemas, mas não o que estava causando-os. Volto a dizer que o vandalismo está começando a incomodar muita gente. Algumas pessoas estão se aproveitando desses acontecimentos e muita gente está ficando prejudicada. Há quem fale “Nosso movimento é pacífico! Eles não fazem parte! E isso é por um Brasil melhor para todos no futuro!”, mas convenhamos que deixarem destruir todo o presente na promessa de um futuro melhor é meio idiota não é? Tem que se achar um jeito de protestar sem a “ajuda” dos amiguinhos baderneiros, saqueadores...
 É difícil falar sobre esse assunto até porque todo mundo está vivenciando-o de diferentes jeitos e com diferentes opiniões, mas fica aí um resumo do que aconteceu pra quem está perdido... Mas não confie no que eu escrevi totalmente porque eu estou perdido até agora e não sei como isso vai acabar!

Blá, blá, blá, blá, blá, blá gostou, blá, blá, se você, blá, blá, blá, compartilhe! E já que estamos nesse espírito patriótico por que não assistir a uma charge do nosso grande Maurício Ricardo de muito tempo atrás? Uma tradução do nosso hino! Para verem (ou reverem) cliquem no nome de um grande mago que vai aparecer exatamente aqui... Merlin!